O que é Mundo B.A.N.I., por Jamais Cascio

O que é Mundo B.A.N.I., por Jamais Cascio, exemplos do mundo BANI hoje

O conceito de Mundo B.A.N.I. surgiu por Jamais Cascio, do Institute for The Future (IFTF), de Palo Alto (Califórnia). Em 2018, o pesquisador e futurista descreve o ambiente atual como BANI (Brittle, Anxious, Non-linear and Incomprehensible): Frágil, Ansioso, Não linear e Incompreensível. Tentarei destrinchar mais esses conceitos a seguir, com base nas publicações do próprio Jamais Cascio.

Mundo B.A.N.I.: uma realidade cada dia mais caótica

De acordo com Jamais Cascio, o conceito de V.U.C.A. (Volatilidade, incerteza, complexidade e ambiguidade) para entender o mundo é claro, mas tornou-se parte do passado, pois desde o final dos anos 2010 tornou-se obsoleto e incompleto. Para Cascio, 

Vivemos constantemente em um mundo caracterizado por cada dia mais fragilidade e precisamos rever a visão de V.U.C.A, já que a cada dia existe mais caos e mais estresse, causados pelo excesso de informações e mudanças rápidas.

Descrever a realidade como VUCA ofereceria pouca visão, já que nossa realidade social, política, cultural e tecnológica passou por uma mudança de fase significativa. Seria hora de adotar uma nova abordagem para compreender essa realidade em constante transformação. 

Significado de Mundo B.A.N.I.

B.A.N.I. significa: frágil, ansioso, não linear e incompreensível. 

Nas palavras do próprio autor:

Frágil: Sistemas frágeis são suscetíveis a falhas repentinas e catastróficas. Ao contrário de resilientes, eles são frágeis. Os sistemas frágeis são como o vidro do seu smartphone – podem ser extremamente resistentes, mas quando quebram, não falham graciosamente ou gradualmente; eles simplesmente se quebram e desmoronam incontrolavelmente.

A fragilidade no Mundo BANI aparece em casos como colapsos financeiros imprevisíveis como quebra de bolsas de valores ou uma pandemia como a da Covid-19, que sobrecarregou os hospitais (e eram sistemas aparentemente robustos e confiáveis).

Ansioso: a ansiedade está em alta hoje – assim como sua prima próxima, a depressão. Num mundo ansioso, estamos constantemente no limite, à espera que o próximo sapato caia, ou a próxima má notícia que nos atinja, ou a próxima distopia ficcional que nos seja apresentada não apenas como um caminho possível, mas provável para a humanidade, e com muita credibilidade. Todos os elementos do enquadramento VUCA também geram ansiedade, por isso o resultado não é particularmente surpreendente.

Um exemplo da questão da saúde mental vem dos dados da Organização Mundial de Saúde (OMS): o Brasil é o país com o maior número de pessoas ansiosas: 9,3% da população. De acordo com o portal Saúde.GOV, “há também um enorme alerta sobre a saúde mental dos brasileiros, já que uma em cada quatro pessoas no país sofrerá com algum transtorno mental ao longo da vida” (abril/2023).

Não-linear: Num mundo não linear, causa e efeito são aparentemente desconectados ou desproporcionais. Talvez outros sistemas interfiram ou obscureçam, ou talvez haja histerese oculta, enormes atrasos entre a causa visível e o efeito visível. Num mundo não linear, os resultados das ações tomadas, ou não, podem acabar por ficar totalmente desequilibrados. Pequenas decisões acabam com consequências enormes, boas ou más. Ou desenvolvemos enormes esforços, empurrando e empurrando, mas com pouco a ver.

A não-lineariedade pode aparecer nas redes sociais, quando uma única postagem viral pode ter impactos enormes, bons ou ruins, e causar mudanças significativas no comportamento do público, destacando a desconexão aparente entre ações individuais e seus resultados.

Incompreensível: Não só, como disse Arthur C Clarke, qualquer tecnologia suficientemente avançada é indistinguível da magia, mas as coisas do dia a dia são agora incompreensíveis. Estar vivo no século XXI é depender de inúmeros sistemas complexos e incompreensíveis que afetam profundamente as nossas vidas. Como Quinn Norton apontou, mesmo “uma área de trabalho comum do Windows é tão complexa que ninguém na Terra sabe realmente o que tudo isso está fazendo, ou como” – muito menos uma vasta rede de tais computadores ou mais sistemas complicados.

A incompreensibilidade do mundo BANI pode acontecer na inteligência artificial, onde algoritmos complexos tomam decisões que podem ser difíceis de entender, como sistemas de aprendizado profundo que criam suas próprias regras, tornando difíceis de entender as razões por trás de suas escolhas (por falta de regras claras). Isso não quer dizer que sistemas de IA não são utilizados, mas sim que nem sempre são compreendidos.

Cascio refere-se à famosa frase “Qualquer tecnologia avançada parece mágica” é de Arthur C. Clarke, um renomado escritor de ficção científica, autor de “2001: Uma Odisséia no Espaço”. Ela nos lembra que, para muitos, tecnologias complexas podem parecer mágicas devido à falta de compreensão.

Clarke, era cientista e pesquisador e também considerado um visionário, pois previu muitos avanços tecnológicos. A frase sobre a mágica da tecnologia faz parte das chamadas “Três Leis de Clarke”. As “Leis de Clarke” são três formulações que exploram a relação entre a humanidade e a tecnologia.

As Três Leis de Clarke

A primeira Lei de Clarke é “Quando um cientista distinto e experiente diz que algo é possível, é quase certeza que tem razão. Quando ele diz que algo é impossível, ele está muito provavelmente errado”: destaca que quando um cientista experiente afirma que algo é possível, é provável que esteja correto, enquanto a declaração de que algo é impossível muitas vezes se mostra equivocada.

A segunda Lei de Clarke é: “O único caminho para desvendar os limites do possível é aventurar-se um pouco além dele, adentrando o impossível”. Incentiva a exploração para desvendar os limites do possível, adentrando o território do impossível.

A terceira Lei de Clarke, citada por Jamais Cascio, é: “Qualquer tecnologia suficientemente avançada é indistinguível da magia.” Talvez a mais conhecida, afirma que tecnologias avançadas podem parecer mágica para aqueles que não compreendem seu funcionamento, enfatizando a ideia de que o desconhecido pode parecer extraordinário. Essas leis refletem a visão de Clarke sobre o potencial humano e a evolução da tecnologia.

Em outras palavras, mundo BANI representa uma realidade caracterizada por sistemas frágeis e suscetíveis a falhas, uma constante ansiedade devido à incerteza, uma relação não-linear entre ações e consequências, e uma crescente incompreensibilidade de sistemas e tecnologia que afetam nossas vidas. É um novo paradigma que desafia a forma como entendemos e navegamos no mundo contemporâneo.

Mais sobre Jamais Cascio

Jamais Cascio, reconhecido como um dos 100 melhores pensadores globais pela Foreign Policy, concentra-se na interseção de tecnologias emergentes, questões ambientais e mudanças culturais. Especializado na criação de cenários futuros plausíveis, ele enfatiza o pensamento sistêmico de longo prazo, promovendo abertura, transparência e flexibilidade para construir sociedades resilientes. Cascio é o criador do modelo “BANI”, amplamente adotado para lidar com cenários caóticos. Em 2017, recebeu um doutorado honorário da University of Advancing Technology. Autor de “Hacking the Earth”, sua expertise o levou a apresentar na Academia Nacional de Ciências de Washington, DC. Recentemente, em março de 2022, lançou o “Age of BANI” como foco principal de seu trabalho nesse modelo.

Veja outros conceitos no especial Conceitos de Marketing e Dados. Categoria dedicada a entender termos ligados aos dados, tendências, comunicação e consumo.

Profissional de Digital Business e Business Intelligence, com foco em Consumer Insights, Trends e Cultural Research. Pesquisa e trabalha criando estratégias baseadas em dados. Criadora do Dataísmo e da comunidade de consumer insights Priszma by Dataísmo. Formada em Marketing e pós-graduanda em Digital Business na USP.

Share