A tendência dos influenciadores 100% virtuais e o lucro publicitário

Imagem de mulher utilizando smartphone com balões saindo do aparelho representando os likes, compartilhamentos e comentários

O relatório “Gen Z Horizons” da Globetrender aponta a tendência do uso influenciadores 100% virtuais e como eles provavelmente começarão a ser empregados por empresas, influenciadores e também no mercado de viagens, podendo até ultrapassar os lucros totais dos influencers humanos.

Uso de influencers 100% virtuais já acontece no Brasil, com foco no metaverso

Virtual influencers são criados para serem novos personagens. E também para ser o porta-voz digital dos próprios influenciadores “humanos”. É o caso da Satiko, da Sabrina Sato e da Pink, da Boca Rosa. Os mercados de viagens e produtos foram destacados no estudo como um espaço de publicidade desses avatars. Com o metaverso cada vez mais presente nos jogos e em evolução para compor universos de marcas, esses personagens ainda podem expandir os seus mercados e interagir nesses espaços por meio da realidade virtual.

Pesquisa aponta aumento do uso de influencers 100% virtuais

De acordo com a pesquisa: “na indústria da moda, influenciadores de beleza de outro mundo gerados por computador já atraíram milhões de seguidores. Por exemplo, há Margot, Zhi e Shudu ‘a primeira supermodelo digital do mundo’, que já estrelou campanhas para a Fenty Beauty de Balmain e Rihanna. Eles são tão realistas que as pessoas muitas vezes não sabem que não são humanos de carne e osso. Depois, há ‘Músico, buscador de mudanças e robô’ Lil Miquela, ‘Jovem Robô Sex Symbol’ Blawko, sua ex-namorada Bermuda, uma loira com sua própria empresa de relações públicas que também representa artistas do mundo real Frank Ocean , Grimes e Björk. Esses três foram todos criados pela startup Brud, com sede em Los Angeles.”

Estimativa de lucro em posts patrocinados

No mundo, já existem diversas marcas com  influenciadores 100% digitais. Eles são porta-voz de marcas, dentre eles, a Yoyo da Youcom e Baianinho das Casas Bahia. A estimativa do estudo da Globetrender é que Lu Do Magalu lucre mais de 40 mil por publicação, com o total de receita de mais de 68 milhões por ano. Lil Miquela pode ganhar até 213 mil reais por publipost. Barbie tem o potencial de ganhar mais de 213 mil reais por postagem no Insta. Se patrocinada, o que pode lhe render novas receitas publicitárias durante todo o ano.

+ Veja mais: influenciadores virtuais no Brasil. País é tendência na criação de personagens virtuais das marcas.

*Com dados de estimativas de lucro públicas do relatório Globetrender 2022.

Profissional de Digital Business e Business Intelligence, com foco em Consumer Insights, Trends e Cultural Research. Pesquisa e trabalha criando estratégias baseadas em dados. Criadora do Dataísmo e da comunidade de consumer insights Priszma by Dataísmo. Formada em Marketing e pós-graduanda em Digital Business na USP.

Share