Dataísmo

dados ♥ métricas ♥ monitoramento

Category: Engajamento

#RipStar: saem as estrelas de favoritos, entram os corações de curtir no Twitter

2015-11-04_twitterheart07

2015-11-04_twitter_heart_meaning

Neste início de novembro, o Twitter mudou uma de suas funcionalidades mais utilizadas: o botão da estrela, chamado de favorito (⭐), que tornou-se o “coraçãozinho” de curtir (❤). De acordo com a rede social, a mudança expressa a mudança do comportamento do usuário e universaliza a linguagem no Twitter. A plataforma é considerada de nicho, abrangendo pequenos grupos que utilizam-na ativamente.

“Você pode gostar um monte de coisas, mas nem tudo pode ser seu favorito (…). O coração, por outro lado, é um símbolo universal que ecoa através das línguas, culturas e fusos horários. O coração é mais expressivo, permitindo transmitir uma gama de emoções e conectar-se mais facilmente com as pessoas”, explicou Akarshan Kumar, Product Manager do Twitter.

O The Verge expressou uma opinião comum à boa parte dos usuários brasileiros:

“A estrela não é um coração. Um favorito não é curtir. O último lançamento de engajamento no Twitter é um pouco menos versátil, um pouco menos poderoso, um pouco mais comprimido. Como o Twitter Moments, a sua grande aposta é nos usuários casuais, cujos gostos do Twitter são básicos, em todos os sentidos da palavra.”

Para os heavy users – usuários que utilizam com frequência, acompanham cada evolução e podem até ser fãs – essa mudança significa rever os sentimentos sobre o que se favorita.

Notamos que, no Brasil, os heavy users utilizavam o favorito como forma de guardar os tweet – é uma forma de dizer que “lê depois” ou até, de dizer “eu vi”, curtir ou de rancor. Para estas pessoas, mudar é diminuir o significado da funcionalidade.

❤ Crescimento e engajamento do Twitter

A base de usuários ativos por mês obteve o crescimento baixo nos últimos períodos, especialmente se comparado ao Facebook:

2015-11-04_crescimento

 

Quanto ao engajamento, o Twitter aumentou o volume de interações no último período:

2015-11-04_engajamento

Fonte dos gráficos: Fortune e Twitter

❤  Resta saber se, utilizando uma linguagem mais acessível e universal de “amor” o Twitter consegue aumentar a sua base de usuários ativos e se, com a mudança da estrela para o coração, este número de interações continuará a crescer, especialmente os usuários fora do nicho que ele conquistou. Afinal, o crescimento será fundamental para desenvolver a plataforma, que com o investimento de ads pode voltar a crescer o valor das ações e, principalmente, das marcas em publicidade nesta rede social.

 

❤  ❤  ❤  ❤  ❤

Veja a Collection do Twitter com informações e impressões sobre a nova opção de CURTIR:


Potiguar, retirante e dataísta. Marketing Digital com foco em Business Intelligence, estratégia e monitoramento de mídias sociais.

Pirâmide de Awareness no monitoramento de redes sociais

2015-10-29_awareness1

De acordo com David Aaker, a única forma de alcançar crescimento de vendas no mercado atual é a criação de novos produtos ou serviços para atingir novos públicos ou manter os já conquistados (que estão em constante mudança).

Por outro lado, a competição no mercado geralmente “não move a agulha”, mesmo com orçamentos de marketing agressivos. Então, como as mídias sociais podem aumentar a oferta de criar uma novo target? “Há uma variedade de maneiras, mas o objetivo final deve ser o de criar uma comunidade que pode fornecer não apenas benefícios funcionais, mas também emocionais, sociais, e os benefícios de auto-expressão” (Aaker). Em outras palavras, uma das opções é transformar as mídias sociais em plataforma de conhecimento do consumidor, localizando oportunidades de negócios em comunidades, criando grupos e… monitorando!

Por meio do monitoramento de redes sociais, podemos identificar o panorama da marca, observar quem fala sobre ela, traçar necessidades, pontos positivos e negativos. Isto pode ocorrer com o monitoramento do buzz (o que foi falado) de forma espontânea, sem citar os canais da marca diretamente; de forma direta, com os comentários e replies diretos à marca; ou até por meio do universo que compõe a marca (grupos ou comunidades que fazem parte do recorte desta marca nas redes sociais.

Neste monitoramento, é importante mensurar o awareness, pedido em várias campanhas, especialmente de mídia. O awareness refere-se ao conhecimento ou percepção, está ligado à imagem da marca, e em como ela é percebida pelos clientes/consumidores. Mas… qual público esse awareness impactou? Será que, se fôssemos mensurar isto em dados,  além desse volume todo, poderíamos traçar dados de qualidade e mensurar a importância de quem foi impactado?

 

Conhecendo o cliente e o público
~Refletindo~ antes de usar os conceitos e a Pirâmide de Awareness

Existem muitas questões interessantes que o conceito de awareness pode desmembrar. Estas perguntas nos ajudam a definir o que é a marca, quem é o seu público e qual cultura ela expõe no mercado. Basicamente, ajudam a traçar o contexto da comunicação. Isto é bem útil quando pensamos nas pessoas que conhecem, não conhecem ou amam a marca. E também podemos criar suposições enquanto fazemos o monitoramento de redes sociais. 😉

  • O seu negócio/cliente é sobre o quê?
  • Como acontece a captação e manutenção dos clientes?
  • Que tipo de informação é disponibilizada para os seus clientes e os clientes potenciais?
  • Como a marca diferencia-se dos concorrentes?
  • Quais os pontos mais fortes da marca?
  • Quais os pontos mais fracos da marca?
  • Qual a principal preocupação com a imagem dela?
  • Que tipo de imagem a marca gostaria de ter e qual a imagem que ela tem? (Igual àquele meme de “como me enxergam” versus “como eu me enxergo”, sabe?)
  • Como criar ou manter um bom relacionamento entre clientes, funcionários e fornecedores?
  • Quais são os principais nichos da sua marca? Qual o comportamento dessas pessoas?
  • Quais os principais segmentos externos que impactam na sua marca? Exemplo: política, educação ou cultura.

 

Pirâmide de Awareness
David Aaker, em seu livro Brand Equity, expõe uma pirâmide que nos ajuda a mensurar este awareness todo:

 

2015-10-28_piramide_do_awareness

  • Top of mind: consumidores/clientes que tiveram e ainda têm uma experiência com a marca. Está associada à “realização” e enraizamento da cultura da marca.
    • Necessidades: fomentar e impulsionar as pessoas que fazem parte do topo da pirâmide para mantê-las neste status, oferecendo novidades e traçando o que as move, para nunca perdê-las de vista. Fazem parte dela os advogados (da marca), pessoas que podem, também, ser chamadas de “lovers” e irão defender aquela cultura, muitas vezes até argumentando com quem não está no topo da pirâmide.
    • Palavras-chave: lealdade, experiência.
  • Lembrança da marca: consumidores/clientes que já tiveram contato com a marca, mas não chegaram a desenvolver um relacionamento com ela. Podem ter confiança ou respeito.
    • Necessidade: observar o julgamento e as sensações destes usuários em relação às suas primeiras experiências. Eles estão próximos dos “top of mind”, assim como podem desistir da marca. 🙁
    • Palavras-chave: memória, emoções, oportunidades, desenvolvimento.
  • Reconhecimento da marca: pessoas que sabem qual a marca, já foram impactadas por ela em algum momento, mas não construíram nenhuma experiência com ela.
    • Necessidades: ver quais passos faltam, na jornada do consumidor, para ele que possa “subir” nesta pirâmide.
    • Palavras-chave: inconsciente, imagem, sensação.
  • Desconhecimento da marca: quando a marca é uma “unaware brand” para estes usuários. Nâo iremos achá-las no monitoramento direito ou indireto, mas podemos identificá-las no universo da qual a marca faz parte.
    • Necessidade: reposicionamento. Saber o contexto em que eles estão inseridos: o porquê de ainda não conhecerem a marca. Será que faltou oportunidade? É hora de discussão, investigação e conhecimento das necessidades deste grupo.
    • Palavras-chave: ausência.

 

Exemplificando a pirâmide:

Vamos supor que estamos com uma campanha gerar para awareness para as bonecas Fofoletes. As Fofoletes foram bonecas colecionáveis, pequeninas, fofas, porém levemente assustadoras, que fizeram muito sucesso nos anos 1980 e a sua fama se espalhou pelos anos 1990… Uma campanha para fomentar a compra de Fofoletes teria sido criada, online e offline, e um monitoramento com as palavras FOFOLETE e FOFOLETES está rodando. Se fôssemos aplicar a divisão entre os elementos desta pirâmide, podemos organizá-las em:

  • Top of mind: colecionadoras e colecionadores de Fofoletes;
  • Lembrança da marca: adultos que já compraram e ganharam Fofoletes quando crianças, mas atualmente não são consumidores de Fofoletes;
  • Reconhecimento da marca: jovens acima de 25 anos que sabem o que são as Fofoletes, mas nunca tiveram uma;
  • Desconhecimento da marca: em nossa suposiçao, identificamos que existem menções apenas de homens e mulheres adultos na amostra analisada. Logo, não existem adolescentes falando do produto. Se a amostra for alta e confirmarmos esta suposição, é possível que a maior parte dos jovens das gerações X e Y não saibam da existência das bonecas. Eles só podem vir a conhecer a marca caso a campanha consiga atingí-los.

 

2015-10-29_awareness2


Elementos para construir inteligência de negócios neste awareness todo

Nesta pirâmide, temos oportunidades ou ameaças? Talvez os dois. 🙁

O artigo Strategic Marketing Management: Building a Foundation for Your Future (University of Florida) descreve ambos:

As oportunidades são os fatores externos ou situações que oferecem potencial para se aproximar ou chegar mais rapidamente às metas da empresa. Por exemplo, alterar a preferência dos consumidores por conveniência pode ser uma oportunidade para a sua empresa.

As ameaças são os fatores externos ou situações que possam limitar, restringir ou impedir a empresa na busca de metas. Por exemplo, os novos regulamentos podem elevar o custo de produção, resultando em uma ameaça para a sua rentabilidade.

 

Ao identificar oportunidades e ameaças partir do monitoramento , é possível desenvolver um conhecimento aplicável de negócios. É o momento em que os dados geram insights (sugestões, oportunidades, conclusões), criando oportunidades para a construção de uma estratégia que vai além dos relatórios. Este conhecimento pode tornar-se “knowledge” ou sabedoria de várias formas:

  • Perfilização dos usuários: no monitoramento, é possível identificar gênero, comportamento, localização, linguagem, hábitos. Com a perfilização, temos o cenário traçado para criar campanhas ligadas ao público que conhece a marca (menções diretas ou indiretas) ou desconhece-a (universo analisado);
  • Painel do sentimento dos usuários em relação à marca: a classificação das menções por sentimento (positivas, negativas, neutras), além de utilizar marcadores (tags) dos principais assuntos (reclamações, produtos ou serviços mais falados e bem como o sentimento bom ou ruim de cada um deles) permite identificar quais são as oportunidades e ameaças de quem é top of mind, lembra da marca ou reconhece a marca
  • Benchmarks: um monitoramento mostra a sua marca. Mas monitorar o seu concorrente mostrará se ele possui sentimento/percepção melhor que o seu, se o público é composto de mais “tops of mind”, se o seu público é similar (“deu match) e até se se existe algum produto que ele não fez e você pode fazer, aproveitando este target de mercado;
  • Novas oportunidades de negócios: produtos e serviços pedidos ou reclamados pelas pessoas, por exemplo, que podem ser levados às demais equipes de marketing da empresa.

* * *
Odeia fofoletes? Let me know. dataismo@gmail.com

Potiguar, retirante e dataísta. Marketing Digital com foco em Business Intelligence, estratégia e monitoramento de mídias sociais.

Twitter Niche: reflexões sobre influenciadores, curadoria de conteúdo e engajamento

2015-10-01_niche

Os criadores independentes têm influenciado as redes sociais diariamente, e sua audiência pode, muitas vezes, dar mais atenção a eles do que à marca. Nesta teia, os anunciantes podem encontrar uma forma de propagar sua mensagem de forma criativa, unindo entretenimento à publicidade.

Identificando este mercado já presente no Brasil, o Twitter encontrou no país uma forma de desenvolver sua plataforma, Niche, que surgiu nos Estados Unidos.

“Há muito tempo agências e marcas têm percebido que precisam ampliar o alcance de suas ações no universo digital para falar com a maior audiência possível, e o trabalho do Niche abre grandes possibilidades. Niche seleciona e categoriza os produtores de conteúdos, entende os objetivos de agências e marcas e faz a ponte entre essas empresas e os criadores mais adequados”.

(Guilherme Ribenboim, vice-presidente do Twitter para América Latina)

 

Influenciadores: qual a sua importância?

Os produtores de conteúdo, quando influenciadores, são figuras importantes no network – ou a “teia” em que as pessoas estão interligadas. São eles que impulsionam os assuntos, propagam a informação ou as hashtags, interagem com outras pessoas que também possuem relevância no assunto, abrem conversações e ainda podem gerar comentários, compartilhamentos ou retweets, por exemplo.

Os influenciadores são medidos não somente pela quantidade de seguidores que possuem, mas também por:

  • Relevância, comumente chamada de “voz de autoridade” ou conhecimento no segmento, seja ele de moda, beleza, entretenimento (tais como seriados, novelas, programação, eventos e afins), esportes, política e tantos outros assuntos que podemos listar;

Estas personas podem ser identificadas por meio da análise de conexões (usando um modelo de Social Media Analysis ou SNA), da observação de quais são os seus laços e de qual é a intensidade e relevância daquelas pessoas, por exemplo.

Atualmente, encontramos várias empresas do mercado que terceirizam este serviço, fornecendo o estudo dos influenciadores como um produto. E foi isso que o Twitter fez, mas de uma forma um pouco diferente da tradicional, explorando as suas próprias plataformas, como o Vine: pensando nessas pessoas que geram conteúdos interessantes (e nos quais os demais usuários estão de olho), focando na curadoria de conteúdo e na escolha dos melhores influenciadores do mercado.

A relevância da curadoria de conteúdo

Para muitas marcas, o Twitter é fonte de informação e funciona como um “termômetro”. Mas o que é o Twitter Niche? E quem determina quais são os influenciadores e como eles se organizam? Ou melhor, como diz o programa de tv: quem são, onde vivem, o que comem?

O Niche é um software que já existia independentemente do Twitter e foi adquirido pela rede social em 2015. No mês de setembro deste mesmo ano, a plataforma expandiu-se no Brasil. A ferramenta foi apresentada no youPIX CON, convenção no segmento de conteúdo digital realizada no MIS (Museu da Imagem do Som), em São Paulo (SP).

Por meio do Twitter Niche, as marcas ou empresas têm acesso à comunidade criativa de forma mais direta para elaborar ações que reforçam a importância de fornecer o conteúdo não só por meio da própria persona, mas também propagando-o por meio de quem tem relevância. De acordo com o próprio Twitter:

As marcas também estão buscando parcerias com indivíduos na esperança de gerar momentos que ressoam com as pessoas que estão tentando alcançar. O talento e a criatividade em todo o panorama da mídia é incrível, e nós esperamos que esta aquisição continua a inspirar as pessoas a criar grande conteúdo.

 

Audiência x relevância

Em muitos momentos, as redes sociais das marcas se concentraram em adquirir audiência. Agora, estes anunciantes esperam que estas pessoas sejam relevantes e possam consumir de forma mais acessível a cultura da marca e o próprio produto/serviço. E a análise das redes sociais, inclusive com ferramentas como o Twitter Niche, torna esta relação mais próxima.

Desenvolver estratégias ou utilizar uma ferramenta mais focada no engajamento do que no número de seguidores ou de fãs proporciona uma métrica mais real, voltada a pessoas que realmente gostam do assunto e do outro.

O resultado é que o anunciante pode contar com uma plataforma que irá segmentar seu assunto de acordo a audiência; o criador de conteúdo pode ganhar com aquilo que quer propagar ou no que acredita. A audiência, por sua vez, tem acesso a conteúdo mais qualificado, que passa por uma escolha/curadoria, com opiniões e informações segmentadas em seus assuntos de real interesse.

Potiguar, retirante e dataísta. Marketing Digital com foco em Business Intelligence, estratégia e monitoramento de mídias sociais.

© 2017 Dataísmo

Theme by Anders NorenUp ↑